quarta-feira, 29 de março de 2023

Crítica Textual

Crítica Textual da Bíblia

A Crítica Textual, também chamada de Manuscritologia Bíblica, é uma importante área de estudos que serve, inclusive, para alimentar outras áreas de pesquisa bíblica, como a Exegese Bíblica e a Tradução Bíblica.
Ela cataloga os manuscritos da Bíblia. Essa classificação se dá em:

  • Papiros;
  • Unciais (que são os maiúsculos);
  • Cursivos (que são os minúsculos);
  • Lecionários.
Ela leva em conta também os manuscritos dos chamados Pais da Igreja, ainda que em menor importância. Esses manuscritos fazem citações de textos do Novo Testamento por esses primeiros teólogos cristãos. Essas citações são chamadas de "citações patrísticas".

O que são os tipos/famílias textuais?

São “[...] tipos específicos de texto, que se caracterizam, sobretudo, por apresentarem tendências homogêneas na transmissão do texto e por derivarem, em regra, de recensões feitas em centros expressivos de difusão do cristianismo” (WEGNER, 1998, p. 64). Os manuscritos são assim enquadrados nos diferentes tipos.

  • Texto Alexandrino: Papiros א, B, 46, 66, 75, etc.;
  • Texto Ocidental: Papiros 5, 8, D, E, F, G, etc.;
  • Texto Cesareense: Papiros 37, 45, etc.;
  • Texto Bizantino (também chamado de Majoritário, Koiné ou Sírio): Papiros 42, 68, etc.

Deve-se considerar que existem as famílias (tipos) textuais, como se segue:

  • Textus Recptus: versão do Novo Testamento produzida por Erasmo de Rotterdam, que serviu de base para a impressão de 750 edições do texto grego do Novo Testamento, entre os anos de 1514 e 1870, dentre elas a Bíblia de Lutero, Tyndale e a King James;
  • Texto Crítico (ou Eclético): é o texto que considera as variantes textuais descobertas depois de 1500, desconhecidas por Erasmo, e textos descartados por ele, e claro, os manuscritos mais recentes (descobertos mormente a partir de 1950).


Referências

COZZER, Roney Ricardo. Enciclopédia Teológica numa perspectiva transdisciplinar. São Paulo: Editora Reflexão, 2020.

WEGNER, Uwe. Exegese do Novo Testamento: manual de metodologia. São Leopoldo: Sinodal; São Paulo: Paulus, 1998.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mapa Mental: Prática Pedagógica no ensino de História

Por  Roney Cozzer www.teologiavida.com Sou um entusiasta dos Mapas Mentais. Eles são muito úteis no sentido de propiciar uma visão panorâmic...